A conexão dança e beleza

Que dan­çar faz bem ao corpo, todo mundo sabe. Mas você sabia que dan­çar tam­bém faz bem à pele?

Atualmente, é bem reco­nhe­cida  a inter­li­ga­ção entre as emo­ções e o seu impacto na saúde do corpo e, ainda, no pro­cesso do envelhecimento.

Estudos cien­tí­fi­cos, inclu­sive,  já com­pro­va­ram que o stress pode cau­sar rugas, acne, queda de cabe­los, ole­o­si­dade no couro cabe­ludo, unhas que­bra­di­ças e ace­le­rar o enve­lhe­ci­mento em 3 a 6 anos, den­tre várias outras con­sequên­cias inde­se­ja­das pelo dese­qui­lí­brio hor­mo­nal pro­vo­cado por este estado crô­nico de “alerta”.

A boa notí­cia é que a dança é uma grande ali­ada para rever­ter esta situação. Sim, meus caros: Dançar reju­ve­nesce!

A ati­vi­dade física é um dos mai­o­res res­pon­sá­veis pela libe­ra­ção no san­gue da endor­fina, o hormô­nio da beleza e da feli­ci­dade, e é ele o grande regu­la­dor do stress.

Considerada um anal­gé­sico natu­ral, a endor­fina é pro­du­zida durante e após a ati­vi­dade física e, ainda, apre­senta a fun­ção de con­tro­lar a ansi­e­dade e pro­mo­ver o bem-estar.

Consequentemente, estes efei­tos se esten­dem para a pele, os cabe­los e as unhas.

Este hormô­nio da beleza libe­rado pela dança tam­bém é capaz de dimi­nuir a degra­da­ção das fibras de colá­geno e elas­tina (que for­mam a rede que sus­tenta a pele) e neu­tra­li­zar os radi­cais livres — os mai­o­res vilões no pro­cesso do enve­lhe­ci­mento — cola­bo­rando para o aumento da lon­ge­vi­dade das nos­sas célu­las, para uma pele viçosa e mais firme, para o bulbo capi­lar for­ti­fi­cado e reno­vado e unhas mais fortes.

É ine­vi­tá­vel enfa­ti­zar que a ali­men­ta­ção e um estilo de vida mais sau­dá­vel, quase sem­pre pre­sente nos pra­ti­can­tes de ati­vi­dade física e da dança, tam­bém cola­bo­ram para este pro­cesso de mini­mi­zar os efei­tos do stress e suas con­sequên­cias no nosso corpo.

Portanto, além dos cui­da­dos anti-idade espe­cí­fi­cos com a pele como a uti­li­za­ção de um bom hidra­tante anti­o­xi­dante e um bom fil­tro solar, dan­çar entra como um grande “cos­mé­tico” nesta busca pela beleza, juven­tude e bem-estar.

Um ali­ado com­pleto e con­ta­gi­ante para corpo, alma e pele!

Por: Fernanda Aguirre Bottura é dermatologista, Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia e do Grupo Brasileiro do Melanoma e Preceptora do ambulatorio de Dermatologia da UFMT, Mato Grosso.

Comentários

Deixe uma resposta